Newsletter
Menu
Pesquisa

José Silva
Tutor

entrevista

José Silva
Tutor

José Silva é Global Brand Manager na Velhotes, Cálem, Barros e tutor da EDIT. Porto. Em entrevista, conta-nos o seu percurso e como é a tua rotina de trabalho. Ainda nos revela quais são os principais desafios de um Brand Manager.

A beleza do trabalho de um Brand Manager está na ausência de rotina. Há claro preocupações diárias mas que raramente se traduzem nas mesmas tarefas o que, para mim, é do que mais me motiva a trabalhar nesta área, com funções de gestão de marca.

E.

Fala-nos um pouco sobre o teu percurso. O que te levou a optar inicialmente pela área da matemática, e posteriormente pelo Marketing Digital?

J

A área de Matemática era uma paixão de pequeno. Desde o 7º ano, se não me engano, que decidi que havia de ser professor de Matemática. É uma ciência que desafia e pela qual uma pessoa se apaixona. No entanto, durante o curso fui desenvolvendo um grande interesse pela aplicação da Matemática em contexto empresarial. Comecei como Business Analyst na Sonae e a entrada no mundo do Marketing deu-se com a passagem para a gestão do programa de fidelização da Sport Zone, onde a componente de Marketing e analítica se juntaram. A partir daí, a paixão pelo Marketing foi crescendo e foi na Super Bock que aprendi as implicações e desafios da gestão de marca.

E.

Como é a tua rotina de trabalho? Quais são os principais desafios de um Brand Manager?

J

A beleza do trabalho de um Brand Manager está na ausência de rotina. Há claro preocupações diárias mas que raramente se traduzem nas mesmas tarefas o que, para mim, é do que mais me motiva a trabalhar nesta área, com funções de gestão de marca. Enquanto Brand Manager, os desafios são vários e de muitas naturezas. Existe uma necessidade enorme de foco no brand development e brand building – construção de equity, build-up de posicionamento, planeamento dos momentos de comunicação e ativação tendo em vista a consistência e relevância de marca é um dos trabalhos mais sensíveis. É fácil destruir o valor de uma marca com um passo em falso. Há a componente de novos negócios/produtos – com o lançamento de novas iniciativas, de construção de portefólio com novas referências/serviços – que implica a articulação de toda a empresa para garantir uma resposta atempada e adequada às necessidades identificadas no mercado. E, em simultâneo, a componente iterativa de estratégia que nos faz constantemente questionar se estamos a endereçar os desafios corretos com que o mercado nos presenteia e se, a longo prazo, aquilo que fazemos hoje é um contributo positivo para a longevidade das marcas de que somos “guardiões” e para os consumidores, ao longo do funil, nas várias fases de interação e relação com a marca. Tudo isto pode acontecer num dia e, daí, a ausência de rotina.

E.

Consideras que, em Portugal, as empresas e marcas têm usado todas as potencialidades do Marketing Digital, e de forma eficaz?

J

Como em todos os mercados, as marcas portuguesas estão em estágios diferentes de trabalho nos seus ecossistemas digitais. Mesmo aquelas que mais dinâmica têm nos canais digitais, acabam por priveligiar uns canais em detrimento de outros. Temos marcas muito fortes em contexto de Social Media, por exemplo,  mas há claramente àreas de melhoria em que o Marketing digital português tem espaço para grande melhoria. Muito por causa das próprias plataformas, Portugal tende a ser um late adopter das novidades de Marketing Digital e aí penso que as marcas poderão ter um papel de proatividade e menor aversão ao risco para abraçar as novidades e experimentar – só assim saberemos o potencial de cada uma das múltiplas ferramentas e features que diariamente aparecem.

E.

Na tua ótica, que tendências estão a surgir nesta área?

J

Diria que, principalmente, e no contexto atual, a utilização do Marketing Digital para a geração de negócio, de forma direta. As marcas têm vindo a utilizar os canais digitais para a construção de awareness e potenciar engagement com os seus consumidores mas começaremos a ver cada vez mais marcas a aliar uma componente de conversão a esses investimentos. Também, o Big Data e a Inteligência Artifical serão conceitos com os quais acredito que vamos contactar mais. Tanto numa lógica de eficiência do investimento de comunicação e construção de marca (seja nos canais digitais, seja nos canais offline), tanto numa lógica de enriquecimento das experiências que as marcas desenham e proporcionam aos seus consumidores.

E.

De que modo te manténs atualizado sobre o mundo do Marketing Digital? Podes partilhar alguns dos recursos/plataformas que utilizas para esse fim?

J

Este é um deal-breaker para um profissional da área de Marketing – seja que área de especialização for. Os recursos que uso acabam por variar bastante. Para a identificação e acompanhamento de tendências uso, por exemplo, o trendwatching.com, para acompanhamento de trabalhos e temáticas de marca e marketing, recorro bastante ao AdAge.com ou AdWeek.com

Numa ótica de atualização sobre tecnologia e atualidade, as referências para mim serão o Fastcompany.com e a Wired.com.

E.

Quais são as tuas expectativas enquanto tutor da EDIT.? De que forma planeias dinamizar as tuas aulas?

J

A principal expectativa é a de poder combinar a paixão por ensinar com a paixão pelo Marketing. Espero conseguir planear as aulas de forma a que o balanço entre a teoria e a prática garanta a utilidade e aplicabilidade dos módulos para os alunos, na sua vida profissional. Garantir que vêm na oferta da EDIT. uma solução que lhes garante o desenvolvimento de skills criticas para o seu sucesso no contexto profissional.

E.

Podes deixar um conselho para quem pretende entrar no mercado do Marketing Digital? Que características devem ter salientes os profissionais desta área, na tua opinião?

J

Acima de tudo, acho essencial que quem queira vir a trabalhar em Marketing Digital tenha o conhecimento base de marca e marketing. É essencial que quem se especializa nesta área em particular tenha consciência das dimensões da marca para as que contribui com o seu trabalho diário e como as potenciar. Para além disso, a curiosidade é essencial para garantir que continuamos relevantes e acompanhamos as novidades – que, em particular no Marketing digital, são constantes.