Newsletter
Menu
Pesquisa

Aluna
Ana Catarina Gomes

entrevista

Entrevista Ana Catarina Gomes

18 Julho 18

Ana Catarina Gomes

"A interação com profissionais da área é sempre uma mais valia, não há maneira mais verdadeira de perceber as coisas senão pela prática.”

Ana Catarina Gomes afirma ter conhecido “realmente o que é a profissão” de UX & UI Designer, ao ter frequentado o curso na EDIT. Lisboa. Nesta entrevista, fala-nos das tendências e ferramentas que utiliza para se manter atualizada no meio digital.

A interação com profissionais da área é sempre uma mais valia, não há maneira mais verdadeira de perceber as coisas senão pela prática.

E.

Porquê o Design? Fala-nos um pouco sobre o teu percurso académico e profissional.

A

Não existe propriamente uma razão, foi acontecendo naturalmente. Sempre passei muito tempo a desenhar, e era o que mais gostava de fazer para passar o tempo. Entretanto ao longo da vida acabei por seguir sempre aquilo que mais gostava de fazer, chegando assim ao design.

No entanto quando acabei a minha licenciatura, acabei por me afastar da área, acabando por nunca trabalhar no meio.

E.

O que te levou a entrar no curso de User Experience & User Interface Design na EDIT.?

A

Quando terminei a licenciatura acabei por sentir que não estava preparada para o mercado do trabalho, não sabia como funcionava, ninguém me tinha mostrado. Acabou por fazer com que me afastasse e até me desanimasse durante uns tempos.

No entanto, no último ano acabei por ter vontade de realmente mudar de emprego e fazer alguma coisa na área que sempre gostei, sendo que andei a pesquisar escolas da área que tivesse o curso certo para mim, a tal área do Design que eu estive a procura na universidade. Foi aí que, em conversa com pessoas, conheci a EDIT. Encontrei o curso de UX&UI e achei que seria o certo para mim.

E.

Na tua perspetiva, o know-how adquirido e os contactos que fizeste na escola vieram mudar a tua forma de pensar a profissão?

A

Deram-me a oportunidade de conhecer realmente o que é a profissão, através de perspetivas diferentes. Acabei por sair do curso com a ideia de que, pode estar muito bonito, mas se ninguém perceber, ninguém vai usar.

E.

Relativamente à equipa de tutores? Foram preponderantes no decorrer do curso?

A

Sim claro, cada um deles à sua maneira, tentou ajudar com qualquer que fosse a nossa dúvida. O feedback que passavam a cada aula era importantíssimo para que repensássemos aquela “ideia fantástica” e percebêssemos que, às vezes, não era tão fantástica assim.

E.

Na tua opinião quais são os maiores desafios enquanto UX&UI Designer?

A

No meu ponto de vista, será proporcionar uma melhor experiência ao utilizador, mas levando-o sempre ao encontro do objetivo do projeto, seja ele as vendas, visualizações, doações, entre outros. Daí a importância de conhecermos bem o nosso consumidor e quais as suas necessidades e objetivos.

E.

Nesta área, é importante estar atualizado e a par das tendências. Como te informas sobre as novidades? Utilizas alguma plataforma ou recurso(s)?

A

O plugin da Muzli para o Google Chrome, é uma maneira de ter acesso às novidades de maneira rápida e acessível. Se perdermos quinze minutos do nosso dia a dar uma vista de olhos, apenas temos a ganhar com a quantidade de ideias e informações que encontramos por lá.

Utilizo também o Linkedin, que também me permite ter acesso a várias partilhas de profissionais da área, o que por vezes me leva para sites onde acabo por subscrever newsletters.

E.

Tens alguma meta profissional definida a cumprir?

A

Neste momento, é conseguir entrar na área do Design, trabalhar com profissionais com quem possa evoluir e ser melhor a cada dia que passa.

E.

Como consideras que se pode destacar quem pretende ingressar no mercado de trabalho na área de UX&UI, atualmente? Que passos deve tomar?

A

É fundamental ter a mente aberta e estar disposto a aprender, é uma área que está em constante evolução, e nunca sabemos tudo sobre um assunto. A interação com profissionais da área é sempre uma mais valia, não há maneira mais verdadeira de perceber as coisas senão pela prática.