Newsletter
Menu
Pesquisa

Ivo Madeira
Aluno

entrevista

Ivo Madeira
Aluno

Ivo Madeira é UX/UI Designer na ITSector e foi aluno do Programa User Experience & User Interface Design na EDIT. Porto. Nesta entrevista, partilha o seu percurso, o impacto que esta formação teve na tua evolução profissional e desenvolvimento pessoal e ainda dá o seu feedback sobre a equipa de tutores da EDIT.

Como o nosso trabalho é resolver problemas, acho que para além dos skills mais falados, devemos praticar o saber ouvir.

E.

O Design Industrial e o Product Design foram as áreas base do teu percurso académico. Como surgiu o interesse pelo programa UX & UI Design na EDIT. Porto?

I

A minha área de formação é algo que me deu as bases para quem sou hoje como profissional, mas numa certa fase da minha vida, senti que não iria evoluir muito mais. 

Comecei a pesquisar sobre UX/UI e acabei por ir ter ao blog do tutor João Lima – uiux.pt. Na altura vi que ia acontecer um podcast (live) em que ele era convidado. Curiosamente, o podcast era também da tutora Catarina Garcia – MUDOPODCAST e foi aí que apareceu a EDIT. 

Cheguei a casa e comecei a pesquisar sobre o curso/conteúdo programático. Senti logo que era a partir daí que iria fazer a minha transição.

E.

Que impacto teve esta formação na tua evolução profissional? E no teu desenvolvimento pessoal?

I

O impacto foi enorme, dado que fiz a transição de área. A partir daí foi tudo novo. Tento absorver o máximo do dia a dia dos meus colegas e estou pronto para ouvir as pessoas que estão na área. Todos os dias aprendo algo e tenho a sorte de trabalhar com pessoas que têm vontade de transmitir conhecimento. 

Sinto que a transição apesar de ser de um mundo diferente, acabou por não ser tão difícil. Industrial Design e UX Design, acabam por se tocar em certos pontos. Nessas áreas existem ferramentas convergentes, tal como a ergonomia/usabilidade, sketches/wireframes, pesquisa, prototipagem e validação. O modus operandi do projecto é bastante comum.

E.

Qual o teu feedback sobre a equipa de tutores? Os seus inputs enquanto profissionais da área enriqueceram a aprendizagem?

I

Os tutores não podiam ter sido melhores. Além da sua disponibilidade ser total, tentaram também passar ao máximo o seu conhecimento. Saber que o dia a dia deles é passado a trabalhar nesta área, directa e indirectamente, também é um certo conforto.

E.

Qual a tua opinião sobre o Projeto 360º Digital Campaign, e o contacto com pessoas das outras áreas de estudo da EDIT.?

I

O projecto 360 é bem interessante porque junta uma equipa multidisciplinar para trabalhar num projecto. Nessas semanas, somos uma equipa e simulamos um pouco do que se passa na realidade com todas as suas contrariedades. O lado humano é fundamental nesta parte do processo.

E.

Consideras que o mercado português tem oferta na área do UX/UI Design? Porque devem as empresas apostar em profissionais da mesma, na tua ótica?

I

Sim, considero. Desde que comecei a conectar-me a esta área, tentei ligar-me às pessoas. E fui percebendo que cada vez mais é preciso mão de obra nesta área. Está mais do que comprovado que uma empresa com pegada no mundo digital tem melhores resultados tendo o UX Design no seu core. Vejo o nosso futuro com bons olhos.

E.

De que modo te manténs atualizado face às novidades e tendências do mundo digital?

I

Para manter-me actualizado, curiosamente, uso o Twitter. Fui-me apercebendo que os designers de grandes empresas tech estão por lá a falar dos mais variados assuntos. Acabas por sentir uma proximidade com os temas que eles vão abordando. Deixo um top 5 de pessoas que gosto de seguir por lá: @alexmuench, @st8rmi, @femkesvs, @alxmurashko e @edumicro. 

Recomendo também a interfacelovers.com – aqui, pode ler-se entrevistas de pessoas da área que falam da sua inspiração, setups e projectos que têm  orgulho em ter trabalhado.

E.

Na tua perspetiva, que skills são imprescindíveis para um UX/UI Designer?

I

Como o nosso trabalho é resolver problemas, acho que para além dos skills mais falados, devemos praticar o saber ouvir. Muitas das vezes temos que perceber o problema melhor do que a empresa ou o user. Então, esse skill é fundamental nessa fase.