Newsletter
Menu
Pesquisa

DISRUPTIVE BLOG

09

Julho

20

Project Manager

Inovar projetos com Design Thinking

A habilidade de se colocar no lugar do outro e fomentar a empatia entre o grupo é essencial para qualquer projeto, onde todos os membros têm a sua responsabilidade.
O Design Thinking ajuda a entender e a aceitar diferentes ideias, de forma a contribuir positivamente para o projeto e alcançar o que o cliente deseja.

A inovação é fundamental para o sucesso de qualquer organização. Este conceito, a par da diferenciação, nunca foi tão necessário e tão importante como é hoje em dia. Nesta realidade, onde a comunicação é rápida e o mundo é cada vez mais globalizado, estar atento às tendências e preparado para mudanças a vários níveis é essencial.

Muitos profissionais e empresas procuram formas e ferramentas para conseguir atingir essas metas. Um dos instrumentos com maiores resultados práticos é o Design Thinking, que oferece vantagens consideráveis para a gestão de projetos de uma forma criativa e ajuda a solucionar problemas ao encontrar respostas inovadoras e formas de transpor desafios.

O Design Thinking tem como base três pilares: o ser humano, a visão de negócio e as oportunidades no contexto tecnológico. O cruzamento destas áreas permite o desenvolvimento do pensamento crítico, a formulação de ideias, tomada de decisões, resolução de problemas e, consequentemente, a criação de uma vantagem competitiva em relação à concorrência.

Esta “forma de pensar” tem múltiplas vantagens para auxiliar a realização e gestão dos projetos e as organizações:

Dar respostas operacionais

A  procura por novas formas de solucionar problemas leva à necessidade de reformular as próprias rotinas operacionais, adaptando-as às necessidades de cada projeto.

Na prática, o Design Thinking permite que nesta situação que seja desenvolvido um pensamento divergente para chegar a uma solução convergente.

Assim, são utilizados critérios práticos aliados a métodos de inovação, de forma a comparar e a testar diferentes alternativas. A isto, acresce a necessidade de gestão de diferentes mentalidades dos colaboradores, que contribuem para chegar ao objetivo.

Ponderação custo-benefício

Os custos e os riscos têm de ser calculados e geridos em cada atividade ou ação, de forma a não derraparem os custos totais e comprometerem o projeto. Por isso, é necessário planear e pensar sobre o custo-beneficio, de formar a calcular o retorno em comparação com os valores dos gastos.

Um dos maiores custos associados a uma organização é o da reformulação da sua cultura e eliminação de “tiques” prejudiciais implementados há vários anos. Contudo, estes custos são vistos como um investimento que trazem vantagens a diferentes dimensões, e que por sua vez se refletem na qualidade do projeto final.

 

Foco na equipa e no cliente

A habilidade de se colocar no lugar do outro e fomentar a empatia entre o grupo é essencial para qualquer projeto, onde todos os membros têm a sua responsabilidade.

O Design Thinking ajuda a entender e a aceitar diferentes ideias, de forma a contribuir positivamente para o projeto e alcançar o que o cliente deseja.

Uma das características desta ferramenta é envolver toda a equipa para atingir diferentes soluções para mesmo problema.

Também, a etapa da proximidade com o cliente é abordada de forma a conhecer o seu perfil e as suas necessidades.

Estimular a criatividade

A criação de soluções criativas e inovadoras é o propósito do Design Thinking. Por isso, é preciso desenvolver e alimentar essa habilidade com métodos práticos e dinâmicos.

A ativação da criatividade e os pensamentos paralelos tornam-se peças essenciais para encontrar “um lugar incomum” que responde ao problema de uma forma não óbvia.

As transformações necessitam de uma mudança de mindset para que se consiga melhorar ideias pré-existentes, ou mesmo transformar a cultura organizacional da empresa e da forma de trabalho.

O Design Thinking é uma abordagem complementar que vai auxiliar e beneficiar a gestão de projetos e das organizações. Assim, fica mais fácil de alcançar a satisfação, não só do cliente final, como da equipa de trabalho.

Fonte.

QUERO PARTILHAR ESTA PÁGINA
QUERO PARTILHAR ESTA PÁGINA